quarta-feira, 24 de setembro de 2008

ESTANTE DE LIVROS


Livros e estantes sempre exercem fascinação. O lugar para guardá-los, colecioná-los, contemplá-los revela o nível de intimidade que o proprietário tem para com as idéias. A revista Vida Simples desse mês traz um especial sobre estantes de livros, que merece ser consultado (o site da revista está ao lado, no sites e blogs recomendados). A forma como uma livraria organiza os livros, a cor das estantes, o material da publicação, as folhas, demonstra a corporidade do livro. Já o canto da casa, do quarto, da sala onde os livros são deixados revelam-se espaços mais individualizados, refúgios de leitores que procuram no silêncio de seu auto-cohecimento e de sua intimidade se entregar à imaginação e as idéias. Lembro da casa do meu avô, onde tinha um quartinho de costura repleto de estantes com livros. Eram enciclopédias, compêndios, Tesouro da Juventude, um lugar mágico em que permanecia horas. Havia tantos mistérios para desbravar. Depois, quando meu avô faleceu, minhas tias derrubaram as estantes, não eram muito adeptas da leitura, e o quartinho ficou vazio, meio solitário. Monteiro Lobato dizia, "um país se faz de homens e livros". Já Mário Quintana, dizia "Os livros não mudam o mundo, quem muda o mundo são as pessoas. Os livros só mudam as pessoas". Eu já diria que a estante de livros é uma paisagem a ser percorrida com os olhos e como o coração. É um universo de possibilidades infindas, frases conservadas, sabedoria a espera de um leitor inquieto, uma "felicidade clandestina" para Clarice Lispector. Alguns dizem que as estantes de livros servem para mostrar aos outros como somos cultos. Eu já diria que elas são um convite para aguçar os sentidos, instigar a curiosidade. A maior demonstração de amizade que posso dar é emprestar um livro a alguém. Um livro é como uma declaração de amor a um amigo.

quarta-feira, 3 de setembro de 2008

CLARICE SEMPRE CLARICE


"Sou o que quero ser, porque possuo apenas uma vida e nela só tenho uma chance de fazer o que quero. Tenho felicidade o bastante para fazê-la doce, dificuldades para fazê-la forte, tristeza para fazê-la humana e esperança suficiente para fazê-la feliz. As pessoas mais felizes não tem as melhores coisas, elas sabem fazer o melhor das oportunidades que aparecem em seus caminhos”.